sexta-feira, 23 de junho de 2017

#ProgramaDiferente: A juventude faz a Nova Política



O #ProgramaDiferente desta semana discute a Nova Política colocada em prática. Acompanhamos uma atividade em que jovens trabalham na elaboração de uma plataforma política ideal e ouvem os comentários do senador Cristóvam Buarque, do deputado federal Arnaldo Jordy e da deputada brasileira no Parlamento Italiano, Renata Bueno. O que pensam os jovens sobre a política? Quais são as suas propostas e prioridades? Que causas, afinal, movem a nossa juventude? Assista.

Câmara de São Paulo aprova anistia de dívidas do IPTU e multas do PSIU às igrejas. E agora, João?

Sob omissão da grande imprensa e sem que a maioria da população paulistana compreendesse o que estava sendo votado na Câmara Municipal de São Paulo, foram incluídas emendas da bancada evangélica no substitutivo do PPI - Programa de Parcelamento Incentivado - da Prefeitura que precisam ser muuuuuito esclarecidas.

Por exemplo (um só!): muito além do parcelamento das dívidas de tributos municipais para o cidadão comum, os vereadores aprovaram a isenção, anistia e remissão de multas do PSIU e do IPTU das igrejas, inclusive aquelas que alugam imóveis de terceiros - cujos proprietários terão suas dívidas perdoadas e, mais ainda, o direito de receber de volta do caixa da Prefeitura os valores que eventualmente já foram pagos.

O projeto foi aprovado com apenas um voto contrário (Claudio Fonseca, do PPS) e três abstenções (Soninha Francine, do PPS; Toninho Vespoli e Sâmia Bomfim, do PSOL).

Deu($) pra entender? Anistia (com devolução) do IPTU e do PSIU, ou seja, dane-se a vizinhança que reclama do barulho além do limite e fora de hora das igrejas. A bancada evangélica deu uma banana para o bom senso, para a lei, para o poder público e para o Estado laico. Vale tudo em nome da fé.

O portal Câmara Man fez a única postagem sobre o assunto anterior à votação. Até porque as mudanças foram inseridas de última hora no projeto substitutivo e a aprovação na quinta-feira à noite não é habitual na Câmara. Ou seja, os vereadores pegaram a população e toda a imprensa de surpresa.

O assunto vai repercutir agora a partir da publicação do jornal O Estado de S. Paulo, que reverberou a postagem do Câmara ManCâmara de SP aprova anistia de dívidas de IPTU e multas às igrejas. Existe possibilidade de veto do prefeito João Doria (PSDB), porém, se isso ocorrer, haverá retaliação da bancada evangélica. Vamos acompanhar.

Leia também:

Todos deveriam ser iguais perante a lei, mas aqueles que fazem política em nome de Deus levam uma boa vantagem

Carlos Fernandes: Respeito à política e à religião

Quero parabenizar o voto contrário do vereador Claudio Fonseca (PPS) - o único entre os 55 vereadores paulistanos, além de três abstenções - à imposição de uma anistia às dívidas das igrejas, principalmente sobre multas do PSIU, como aconteceu durante a aprovação do PPI (Programa de Parcelamento Incentivado) nesta quinta-feira à noite, na Câmara Municipal de São Paulo.

É certo que a cidade precisa de recursos para investir - e medidas que facilitem a arrecadação são sembre bem vindas, principalmente em tempos de crise. Portanto, que se esclareça: somos francamente favoráveis ao programa de parcelamento de dívidas. Isso é bom para o município e melhor ainda para os cidadãos.

Porém, em nome deste programa que é benéfico e necessário para São Paulo, não podemos aceitar manobras improvisadas e o contrabando de leis. Sem nenhum debate, sem a discussão do mérito, no apagar das luzes, não pode vir embutido no substitutivo de última hora do PPI uma emenda que beneficia apenas um determinado segmento, em detrimento da maioria da população - ainda que fosse eivado das melhores intenções.

Quando a Constituição brasileira estabelece que o Estado é laico, não é à toa. Política e religião são dois caminhos paralelos para o bem estar das pessoas. Ambos merecem respeito. Mas, quando se misturam, algo está errado na sociedade. A ação dos políticos e do poder público deve necessariamente ser imparcial em relação às questões religiosas, não apoiando nem se opondo a nenhuma crença, nenhuma igreja, nenhuma manifestação de fé.

É por isso que somos contrários à anistia ou remissão seletiva de dívidas, principalmente àquelas contraídas por multas do PSIU, o programa de silêncio urbano - que é um instrumento legítimo de defesa da cidadania no combate à poluição sonora na cidade de São Paulo, tornando mais pacífica a convivência entre estabelecimentos que fazem barulho (bares, boates, restaurantes, salões de festas, templos religiosos, indústrias e até mesmo obras) e os moradores da vizinhança. 

Além disso, parece injusto beneficiar com alguma anistia simplesmente aqueles setores que usarem a fé e a religião para obter o perdão de multas e obrigações. Até porque as dívidas são contraídas pelos homens, jamais por alguma divindade ou um ente superior. Então, pelo amor de Deus, vamos tratar a política com seriedade, respeitar a inteligência alheia e trabalhar para o bem de toda São Paulo.

Carlos Fernandes é presidente do PPS paulistano e prefeito regional da Lapa.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Conheça "Divinas Divas", o filme de Leandra Leal com Rogéria e outras artistas transformistas pioneiras, que estreia nesta quinta-feira, no #ProgramaDiferente



No mês do chamado "orgulho gay", o #ProgramaDiferente apresenta um especial sobre o filme "Divinas Divas", que estreia nesta quinta-feira, 22 de junho, em cinemas de todo o Brasil. Dirigido pela atriz Leandra Leal, o documentário retrata com bom humor e sensibilidade a vida de artistas transformistas pioneiras dos anos 60 - Rogéria, Jane Di Castro, Divina Valéria, Camille K, Fujika de Halliday, Eloína dos Leopardos, Brigitte de Búzios e Marquesa - que desafiaram tabus e preconceitos. Assista.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Câmara de SP aprova a "Família Acolhedora"

Enquanto a base não se entende com o governo e o "centrão" ressurge na Câmara Municipal de São Paulo, um único projeto do Executivo foi aprovado em segunda e definitiva votação nesta terça-feira, 20 de junho. Curiosamente, o projeto foi apresentado pela gestão anterior, do prefeito Fernando Haddad (PT), e foi pautado a pedido da vereadora Soninha Francine (PPS). Seguirá agora para sanção do prefeito João Doria (PSDB).

Trata-se do Projeto de Lei 603/2016, que prevê auxílio financeiro (um subsídio de R$ 937) para grupos familiares que cuidarem de crianças e adolescentes destituídos judicialmente dos seus pais por motivos como agressão, abandono e negligência, além de alterar a nomenclatura da lei de 2003 (de "Família Guardiã" para "Família Acolhedora"). Leia mais.

Reajuste no TCM

Os vereadores também aprovaram, em primeira discussão, o  PL 224/2017, que reajusta em 4,76% os salários dos servidores do TCM (Tribunal de Contas do Município).  Foram 37 votos favoráveis e três contrários: dos vereadores Fernando Holiday (DEM), Patrícia Bezerra (PSDB) e Sandra Tadeu (DEM).

terça-feira, 20 de junho de 2017

20 de junho: Dia do Refugiado no #ProgramaDiferente



O Dia do Refugiado - comemorado mundialmente em 20 de junho - é uma oportunidade para conscientizar as pessoas e celebrar a força, a coragem e a perseverança de famílias inteiras que foram obrigadas a deixar suas casas e seus países por causa de guerras, perseguições e violações de direitos humanos.

O #ProgramaDiferente traz hoje um especial sobre os refugiados, apresentando matérias e um debate sobre o tema, além de entrevistar o senador Cristovam Buarque (PPS/DF) sobre o seu livro "Mediterrâneos Invisíveis", que trata da questão de imigrantes e refugiados, e também das barreiras que separam a humanidade, ou dos "muros que excluem pobres e aprisionam ricos". Assista.

Um convite para lançar um de seus livros na Turquia levou o senador Cristovam Buarque a conhecer de perto a realidade dos campos de refugiados entre Istambul e Kilis, na fronteira com a Síria, próximo de Alepo. O que viu e vivenciou nos quase 1.000 quilômetros percorridos na viagem foi o estopim para que o educador escrevesse este seu mais recente livro.

É o que mostra desde a apresentação da publicação: ele faz um relato do que viu e ouviu ao reconstruir parte do caminho trilhado pelo pequeno Aylan Kurdi, o menino que sensibilizou o mundo ao ser encontrado sem vida em uma praia na Turquia, após sua família tentar a travessia do Mediterrâneo.

O autor entrelaça a tragédia do mar Mediterrâneo a partir da desestabilização política na Síria, no Iraque, no Afeganistão e em alguns países da África, com os outros muros invisíveis que separam os cidadãos ao redor do mundo. O objetivo é refletir sobre possíveis saídas para diminuir as diferenças sociais. Ele põe em pauta desastres ambientais como o de Mariana (MG), a fome e a pobreza que aumentam a desigualdade social no Brasil e no mundo.

Com uma visão humanista e permanente foco na Educação, Cristovam constrói um relato sensível, expõe dados e informações e recorre à História e à literatura para refletir sobre o futuro, num mundo em que o nacionalismo conservador e o medo têm pautado as principais decisões de líderes mundiais.

Petição #ComOsRefugiados

Numa época em que a violência força diariamente centenas de famílias a fugir em busca de paz para suas vidas, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) acredita que este é o momento para mostrar aos líderes mundiais que o mundo está solidário #ComOsRefugiados. Por isso, o ACNUR lançou a petição #ComOsRefugiados, uma mensagem aos governantes para que trabalhem juntos pelos refugiados.

Entre as garantias listadas na petição estão: que todas as crianças refugiadas tenham acesso à educação; que todas as famílias refugiadas tenham um lugar seguro para viver; e que todos os refugiados possam trabalhar e adquirir conhecimentos que contribuam de forma positiva para suas comunidades. Assine você também a petição para mostrar que o mundo está #ComOsRefugiados.

Ainda sobre a absurda PEC da vaquejada :´-(

Parabéns, Ruy Castro, pelo texto "Dor garantida por lei", que expõe a crueldade e a ignorância da maioria do Congresso Nacional ao aprovar uma PEC que legaliza a vaquejada, considerando "prática esportiva" e "manifestação cultural" o que não passa de tortura e maus-tratos aos animais. Que, nas eleições, esses políticos canalhas sejam também derrubados, um a um, não como bois, mas pelo voto.

Mauricio Rudner Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do PPS/SP e apresentador do #ProgramaDiferente (publicado na Folha de S. Paulo desta terça-feira, 20 de junho de 2017)



Artigo de Ruy Castro: Dor garantida por lei

Uma PEC (proposta de emenda constitucional) aprovada há pouco pela Câmara dos Deputados e prestes a ser confirmada pelo Senado determina que, ao contrário do que dispôs o STF (Supremo Tribunal Federal), o Brasil considere legal que se obrigue um boi a correr numa arena entre dois cavalos montados por vaqueiros que tentam jogá-lo ao chão, puxando seu rabo. Em breve, traduzido para o legalês castiço e sob o nome fantasia de vaquejada, isso estará na Constituição.

Na prática, significa que será constitucional encurralar —tornar indefeso— um boi e submetê-lo à chibata, de modo a infligir-lhe tal dor e pavor que, uma vez liberto, ele contrarie a sua natureza de animal lento e inofensivo e saia descontrolado pela arena, tentando fugir dos que o maltratam e dando ensejo a ser perseguido e derrubado pelos dois homens a cavalo.

A Constituição garantirá que sua cauda, ao ser agarrada, puxada e torcida e sofrer brutal tração pelo vaqueiro, esteja sujeita ao rompimento dos ossos que a compõem ou, no mínimo, ao desenluvamento, que é a violenta retirada de pele e tecidos. O texto constitucional autorizará ainda que o boi sofra fraturas nas patas, ruptura de vasos sanguíneos e lesões nas vértebras, na medula espinal e nos órgãos internos. Pelo mesmo artigo, a Constituição propiciará aos cavalos o direito de também serem açoitados ao mesmo tempo que o boi (para acompanhá-lo na velocidade) e terem o ventre retalhado pela esporas em forma de estrela.

A Constituição, já vergada ao peso de tantas emendas, acolherá tudo isto porque os congressistas não podem ficar mal com os eleitores das regiões em que a vaquejada é uma manifestação "cultural".

A legalização da crueldade e da covardia não ameniza o sofrimento das vítimas, mas permite a seus algozes um sono bem pago e sem culpa.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Parada LGBT no #ProgramaDiferente contra a homofobia, o racismo e a intolerância religiosa



Em plena semana da 21ª Parada LGBT na Avenida Paulista, o #ProgramaDiferente discute homofobia, racismo e intolerância religiosa. Questões de gênero, sexualidade e o respeito à diversidade estão mais atuais do que nunca. Como combater o preconceito, o racismo, a incompreensão e a intransigência com quem é diferente?

O tema da Parada Gay em 2017 é "Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei! Todas e todos por um Estado Laico". Aproveitamos a oportunidade para tratar de homofobia, racismo e intolerância religiosa com o babalawo Ivanir dos Santos, o historiador Marcus Vinicius Oliveira e a socióloga Elisabeth Miranda, além de apresentar trechos de um interessante bate-papo do cineasta Fernando Grostein Andrade com o músico Junior Lima sobre bullying. Assista.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Câmara de São Paulo tem "sessão descarrego"



Foi, nas palavras do presidente da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Milton Leite (DEM), uma "sessão descarrego" sobre o episódio da agressão envolvendo o vereador Camilo Cristófaro (PSB), uma assessora dele (que apareceu no plenário com o braço engessado) e um assessor do vereador Eduardo Suplicy (PT), além da lembrança do caso anterior, no qual o mesmo Camilo Cristófaro foi acusado de agressão verbal pela vereadora Isa Penna (PSOL).

O ambiente desta quarta-feira, 14 de junho, véspera do feriado de Corpus Christi, foi dominado pela repercussão desses episódios de agressões que tem se tornado uma triste rotina, além de acusações graves, culminando com discursos defendendo a imagem da Casa e o "espírito de corpo" - isso depois da "desinteligência" (jargão para esse tipo de ocorrência policial) parar na delegacia e motivar até um "corpo de delito" no Instituto Médico Legal.

Com versões absolutamente conflitantes - uma delas desmentida pelas próprias imagens - fica até difícil levar a sério tudo o que se diz. A conclusão preliminar que se chega (de fora) é a de sempre: a Câmara é de fato um mundo à parte. Uma realidade paralela. Faz inveja ao realismo fantástico da TV e do cinema.

Lá dentro o entendimento é outro: a "culpa" é de quem sai filmando indiscriminadamente o que acontece (tachado por alguns parlamentares de "atitude irresponsável" ou "comportamento reprovável"). A vereadora Sandra Tadeu (DEM) chegou a sugerir uma lei - ficou no ar se falou sério ou arriscou uma piada - para proibir a gravação de imagens nos corredores da Câmara Municipal.

Dito isso - e com o histórico de punições na Casa não a quem comete ilicitudes, mas a quem as publica ou critica - vamos nos poupar de emitir qualquer opinião. Faça você, leitor ou leitora, o seu próprio julgamento. Reveja aqui a polêmica e leia na íntegra as notas taquigráficas das sessões desta quarta-feira, uma ordinária e uma extraordinária, que tratam do ocorrido. Vamos ver no que vai dar. (Câmara Man)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Cenas de Zorra Total na Câmara Municipal: assista toda a confusão sem ficar constrangido, se for capaz



A Câmara Municipal vem vivendo momentos que não honram a grandeza da cidade de São Paulo, nem a história do seu povo. Sinceramente, é constrangedor noticiar mais uma vez esse tipo de acontecimento vexatório dentro do legislativo paulistano, envolvendo vereadores que não foram eleitos para fazer esse papelão em nome do eleitor. Não merecemos isso! Esperamos que, desta vez, providências sejam tomadas e levadas às últimas consequências. Basta!

As imagens mostram uma discussão ocorrida após a realização de sessão da CPI da Feira da Madrugada. O empresário Rivaldo "Rico" Santana é imobilizado por dois homens, no corredor do 4º andar da Câmara Municipal de São Paulo, após bater boca com o vereador Camilo Cristófaro e um suposto delegado (que seria também assessor do vereador). Nesse momento, outra assessora do vereador discute com pessoas que filmam a ação, principalmente com Leandro Ferreira, assessor do vereador Eduardo Suplicy (PT). Em seguida o próprio Camilo Cristófaro (PSB) aparece agredindo Leandro Ferreira e derrubando seu celular. São cenas realmente deploráveis.

Se não bastasse a agressão que virou caso de polícia e foi também encaminhada à Corregedoria da Câmara, ficou no ar outra acusação contra o vereador. Ouve-se num vídeo apresentado pela Rede Globo que Rico Santana acusa o vereador Camilo Cristófaro, que é relator da CPI da Feira da Madrugada, de ter pedido R$ 5 milhões - e que ele teria uma gravação desta ação. Não fica claro a quem o vereador teria pedido dinheiro, nem por qual motivo, mas foi isso que originou todo a confusão.

Acompanhe os fatos, da forma como foram tornados públicos originalmente nesta terça-feira, 13 de junho:

Cena 1 - Postada às 16h18 no facebook do vereador Eduardo Suplicy:

Agressão gravíssima do vereador Camilo Cristófaro (PSB) contra um assessor do meu gabinete, Leandro Ferreira, que estava filmando uma agressão a um munícipe. É importante que todos os envolvidos na ação sejam identificados em sindicância. A confusão começou depois da audiência da CPI da Feira da Madrugada, na Câmara Municipal de São Paulo. O empresário Rivaldo Santana após discutir com Cristófaro foi detido por seguranças. Leandro Ferreira, que filmava a ação, foi agredido pelo vereador. Estamos nesse momento registrando um boletim de ocorrência.


Cena 2 - Postada às 18h04 no facebook do vereador Eduardo Suplicy:


As imagens gravadas hoje à tarde na Câmara Municipal mostram claramente a agressão e o total descontrole do vereador Camilo Cristófaro ao agredir Leandro Ferreira, assessor do gabinete. Mas pasmem, Cristófaro foi à delegacia e registrou uma ocorrência como vítima. As imagens não mentem. Pensa que somos bobos?


Cena 3 - Postada às 18h54 no facebook do vereador Camilo Cristófaro:
VEREADOR SUPLICY QUER APARECER E SEU ASSESSOR AGREDIU UMA MOÇA DE 28 ANOS
A VERDADE SEMPRE IRÁ PREVALECER ❤️❤️❤️

Cena 4 - Postada às 23h28 no facebook do vereador Camilo Cristófaro:
ASSESSOR DO SENADOR DERROTADO E ATUAL VEREADOR EDUARDO MATARAZZO SUPLICY, HOJE DIA 13/06/2017 , AGREDIU COVARDEMENTE UMA JOVEM DE 28 ANOS , MÃE, ESPOSA, MULHER, CIDADà❤️❤️❤️
E O VEREADOR SUPLICY AO CHEGAR NA DELEGACIA PARA APARECER NA MIDIA, POIS É SÓ O QUE ELE SABE FAZER, ELE COMO SENADOR HÁ 24 ANOS NÃO FEZ ABSOLUTAMENTE NADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E AINDA DISSE A JOVEM AGREDIDA, QUE NÃO VIU VÍDEO ALGUM DE AGRESSÃO CONTRA A VÍTIMA 🙏🙏🙏
QUEM CONHECE SUPLICY NÃO VOTA NELE💣
QUEM CONHECE O PT NÃO VOTA NELE💣
QUEM CONHECE O PSOL NÃO VOTA NELE💣
QUEM AMA O BRASIL 🇧🇷🇧🇷🇧🇷 TEM QUE MANDAR ESTÁ CAMBADA PARA A VENEZUELA 👏👏👏


Cena 5 - Postada às 23h39 no facebook do vereador Camilo Cristófaro:

ASSESSOR DO SENADOR DERROTADO E ATUAL VEREADOR EDUARDO MATARAZZO SUPLICY, HOJE DIA 13/06/2017 , AGREDIU COVARDEMENTE UMA JOVEM DE 28 ANOS , MÃE, ESPOSA, MULHER, CIDADà❤️❤️❤️
E O VEREADOR SUPLICY AO CHEGAR NA DELEGACIA PARA APARECER NA MIDIA, POIS É SÓ O QUE ELE SABE FAZER, POIS COMO SENADOR 24 ANOS NÃO FEZ ABSOLUTAMENTE NADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E AINDA DISSE A JOVEM AGREDIDA, QUE NÃO VIU VÍDEO ALGUM DE AGRESSÃO CONTRA A VÍTIMA 🙏🙏🙏
QUEM CONHECE SUPLICY NÃO VOTA NELE💣
QUEM CONHECE O PT NÃO VOTA NELE💣
QUEM CONHECE O PSOL NÃO VOTA NELE💣
QUEM AMA O BRASIL 🇧🇷🇧🇷🇧🇷 TEM QUE MANDAR ESTÁ CAMBADA PARA A VENEZUELA 👏👏👏

 
Relembre outras confusões que ocorreram neste ano na Câmara:




terça-feira, 13 de junho de 2017

Calendário da Câmara de SP antes do recesso de julho prioriza pacote de privatizações de João Doria

Após uma auto-exaltação dos números de projetos aprovados, o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Milton Leite (DEM), parabenizou os colegas pelo cumprimento do acordo da semana passada, que possibilitou a votação de um pacotão de projetos em 1ª e 2ª votação. No costumeiro tom de galhofa, Dalton Silvano (DEM) afirmou que recebeu "um telegrama do Guinness para registrar o recorde de projetos aprovados em uma única sessão".

A ideia até o início do recesso de julho, nos próximos 15 dias, é priorizar a votação de projetos do Executivo e dos vereadores em 1ª votação. Projetos como a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para 2018 e o PPI (Programa de Parcelamento Incentivado), que autoriza o parcelamento de dívidas de quem não pagou taxas e impostos municipais, como o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), devem passar necessariamente por uma segunda e definitiva votação antes do recesso.

Para amanhã, quarta-feira, 14 de junho, está pautada a discussão do projeto substitutivo do PPI, permitindo que passe por uma segunda e definitiva votação. Para a próxima quarta-feira, dia 21, haverá audiência pública do PL 367/2017, que disciplina o pacote de concessões e privatizações do prefeito João Doria (PSDB), incluindo o transporte coletivo de passageiros; mercados e sacolões municipais; parques, praças e planetários; pátios de estacionamento de veículos; sistema de compartilhamento de bicicletas; e o mobiliário urbano municipal

Para o dia seguinte, quinta-feira, 22 de junho, está prevista audiência pública do PL 364/2017, que trata especialmente da concessão do Estádio do Pacaembu e do seu clube poliesportivo.

O líder do governo, vereador Aurelio Nomura (PSDB), pretende debater e votar no dia 27 de junho o  PL 367/2017 e no dia 28 de junho, o PL 364/2017, em primeira votação (a segunda e definitiva votação de ambos ficaria para agosto, após o recesso de julho). 

Encerrando o semestre, no dia 29 de junho, deve ser aprovada em segunda e definitiva votação a LDO (PL 293/2017), possivelmente com um novo pacotão de projetos de vereadores em pauta para aprovação com votação simbólica. (Câmara Man)

O Brasil à deriva diante de um mar de incertezas

Se existe uma certeza diante deste mar de perplexidade e insegurança que deixa o Brasil à deriva, hoje, é a convicção de que precisamos defender as reformas e o processo de transição para chegarmos ao porto seguro das eleições de 2018, mas sem fechar os olhos para todas as evidências de que o presidente Michel Temer já não reúne as mínimas condições de ser o timoneiro dessa travessia à terra firme, depois do vendaval de denúncias e delações que vem atingindo o governo.

Outra afirmação que podemos fazer com segurança é sobre o iminente naufrágio do atual sistema político-partidário e eleitoral: as atuais legendas fazem água ano após ano, mostram-se completamente descoladas de suas bases e desconectadas dos anseios da população. A Operação Lava Jato, com os corruptos ao mar, vem apenas apressar o fim catastrófico de um modelo avariado e obsoleto. Não enxergar isso é querer fazer o papel figurativo de músico do Titanic e seguir tocando alegremente até que a água cubra todo o convés.

O momento exige responsabilidade, equilíbrio e lucidez. Que a onda que vem da França - não por acaso o berço da democracia, com a tríade liberdade, igualdade e fraternidade - possa também nos banhar de nova política, para a consolidação do nosso estado democrático de direito e o amadurecimento das nossas instituições republicanas.

A eleição de Emmanuel Macron pode ser o farol deste novo mundo que buscamos na política. O fenômeno do "dégagisme" - traduzido para algo como "cair fora", ou o descontentamento geral com todos os partidos franceses - leva à vitória o seu movimento "La République en Marche" e o apequenamento das siglas mais tradicionais, à esquerda e à direita.

A nossa elite - sempre tão sensível às influências que vem da Europa - poderia seguir o exemplo. É da dissidência dos grandes partidos, com políticos de centro-esquerda e centro-direita descontentes com os rumos da democracia, e dos novos personagens que emergem da sociedade civil, das redes e das ruas, livres dos velhos vícios e por isso mesmo muito mais preparados para fazer ressoar a demanda da população por uma nova forma de fazer política, que pode nascer de fato a mudança.

Não dá para simplesmente desprezar os fatos revelados em todas as investigações da força-tarefa da Operação Lava Jato, do Ministério Público, da Polícia Federal, do processo de cassação da chapa Dilma-Temer, tão detalhadamente relatado no TSE. Não dá para seguir pautando a agenda política e econômica com os sobressaltos das denúncias que ainda virão. O Brasil não merece ir a pique pela ação criminosa de seus comandantes nem pela omissão conveniente e conivente dos seus tripulantes. Chegou a hora de tomarmos este velho navio! Basta!

Carlos Fernandes é presidente do PPS paulistano e prefeito regional da Lapa.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

#ProgramaDiferente debate: O que é o amor?



Antecipando o Dia dos Namorados, o #ProgramaDiferente desta semana discute: O que é o Amor? Acompanhamos um debate e as reflexões de jovens sobre o filme "Os Sentidos do Amor". Este é um sentimento fora de moda ou ainda pode nos ajudar a transformar o mundo? Os filósofos Luiz Felipe Pondé e Clóvis de Barros Filho nos ajudam a entender. Assista.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Com 45 anos de história, grupo Dzi Croquettes reestréia musical provocador e irreverente



Para comemorar os 45 anos da formação original do Dzi Croquettes - que reestréia nesta sexta-feira, 9 de junho, às 21h30, no Teatro Augusta (região central de São Paulo) - o #ProgramaDiferente apresenta um especial sobre o grupo que revolucionou o teatro, a dança, o comportamento e a cultura brasileira na década de 70. Relembramos a sua história e conversamos com o elenco atual. Assista.

O espetáculo, coreografado e dirigido por Ciro Barcelos (único integrante da primeira formação), e agora produzido por Alexandre Bissoli, reúne uma nova geração de atores, cantores e bailarinos. Após três anos em cartaz no Rio de Janeiro, a montagem atual preserva suas características originais, como a irreverência e uma forte crítica social, neste musical provocador ambientado no clima dos antigos teatros de revista.

O novo elenco é composto por Ciro Barcelos, Julio Oliveira, Paulo Victor Gandra, Rogério Nóbrega, Dante Paccola, Filipe Azeredo, William Monteiro, Vittor Fernando e Leandro Naiss, com a participação do bailarino Gabriel Conrad e eventualmente de convidados especiais, como Ney Matogrosso e Filipe Catto. Vale a pena conferir.